Um post para Carol Veiga

Depois de quatro meses, me dei conta de que ainda não escrevi uma linha neste blog sobre uma menina chamada Carol Veiga, o que é uma grandessíssima injustiça, porque ela foi o meu anjo da guarda na batalha para conseguir essa bolsa. Aí esses dias ia mandar o link do Denke ich pra ela e percebi que faltava um post. Fiquei com vergonha e nem passei o endereço.

A história toda foi assim: Em agosto de 2007 recebi um e-mail da Débora K, ex-colega de faculdade na UFSC. Ela encaminhou um release sobre a bolsa da Fundação Heinz-Kühn (HKS), da Alemanha. Os pré-requisitos eram ter diploma de jornalista, menos do que 35 anos de idade, ser natural de um país em desenvolvimento e falar alemão. As inscrições eram até 30 de novembro, tinha que mandar currículo, certificado de proficiência e uma carta de apresentação, dizendo por que o candidato queria a bolsa.

Eu cumpria todos os requisitos, menos falar alemão. Não ia dar tempo de aprender em três meses, então deixei para me inscrever no ano seguinte. Em julho de 2008 consegui o certificado de proficiência (fiz o Teste OnDaf, na UFSC mesmo), aí só precisava escrever a tal carta, que devia convencer a fundação a me escolher.

Um dia, bisbilhotando na página da HKS, encontrei os bolsistas que estavam lá e encontrei a Carol Veiga, deduzi pelo nome que fosse brasileira, encontrei seu perfil no Orkut e resolvi escrever pra ela.

A Carol foi um amor. Li alguns depoimentos sobre ela no perfil e com o tempo vi que ela era exatamente o que falavam: tudo de bom. Ela me deu dicas sobre o que falar na carta de apresentação, me contou que eu tinha tido uma baita sorte, porque no ano anterior uns 80 brasileiros tinham concorrido à bolsa, e em 2008 foram só oito. E ainda falou bem de mim para a Ute. Me deu muita energia boa e me fez acreditar que eu já estava lá.

Mil vivas para Carol Veiga.
E a felicidade infinita.

Um comentário:

  1. Oi Francis,

    Desculpa estar invadindo o seu espaço. Mas acho que agora estou na mesma situação que você esteve e agora quem te pede ajuda sou eu (é a vida né, li neste post aqui “Um post para Carol Veiga” no seu blog).

    Me chamo Lourdes, também sou jornalista, recém formada, e tenho muito interesse em fazer mestrado na Alemanha.

    Me interessei pela língua há um ano e depois pesquisando sobre sites com dicas de alemão encontrei o Deutsch Welle e então passei a ouvir os audios e estudar sozinha, já que não tenho muita grana e encontro poucos que saibam falar alemão nessa terrinha (Teresina-Pi).

    Blza, até ai tudo bem. Daí que nessa mesma época fiquei sabendo do estágio no DW e meus olhos brilharam. Só que eu nunquinha q passaria no teste que seria dali a dois meses, sendo que eu tinha acabado de começar a estudar a língua, obvio.

    Então, tive que parar de estudar pra fazer a monografia e tal e só agora pude retomar meus estudos e ainda tenho muita vontade de participar dessa seleção.

    Tá depois de falar muito, é isso, queria dicas suas de como escrever essa bendita carta de apresentação e outras dicas se for possível para poder passar. =D

    Ah, te encontrei muito por acaso. Quando procurei blogs de brasileiros que moram na Alemanha encontrei a aweidler e a Eve. Li todas as postagens delas, já que elas são ótimas e muito engraçadas. E pela Eve te encontrei. Agora tô lendo vc (já li o seu antigo também) e só nesse post que me toquei q eu poderia mandar uma mensagem pra vc (ta, sei q num é mais msg é um texto enorme, mas acho digno).

    Pronto é só (oi?) isso.

    Bjus e boa sorte aê.

    ResponderExcluir