Um sofá em Paris

Quando aterrissei no aeroporto Paris Orly recebi um SMS da Mailys, couchsurfer que me hospedou durante quatro dias. A mensagem veio com o endereço, a senha para entrar no condomínio e os clássicos dizeres “as chaves estão debaixo do capacho”. Eu ri.

Ela é amiga do François, então cheguei com uma espécie de salvo conduto, mesmo assim a confiança me surpreendeu. Na verdade a Mailys me deu muito mais do que um sofá, deu um quarto só para mim, me emprestou um notebook com internet e – pasme – tinha um carregador para o celular que o Roby me emprestou em Roma (só me dei conta de que não tinha como carregar o aparelho quando já estava no avião).

Paris é uma das cidades mais bonitas que já conheci. A maioria dos pontos turísticos está ao longo do Rio Sena, então se pode ver desde o Arco do Triunfo até a Catedral de Notre Dame – passando pelo Museu do Louvre – de uma das dezenas de pontes que existem no centro da cidade. E a torre, linda, se vê praticamente de qualquer lugar.

A previsão do tempo marcava chuva para os quatro dias que estive em Paris, e para os dias em Roma também, mas se eu tive uma hora de chuva ao todo foi muito (sortuda de uma figa). O François diz que eu carrego o sol comigo, porque o tempo sempre melhora quando eu chego, diz ele. Verdade ou não, o fato é que o sol me acompanhou na maior parte da viagem, a despeito dos institutos de meteorologia.

As fotos já estão na galeria. Vou tentar colocar todas as legendas este ano ainda... eheh

Paris

Nenhum comentário:

Postar um comentário