Visto na mão

Segunda-feira, 8h30, pontualmente, estava eu no Consulado Geral da Alemanha em Porto Alegre. Pelo que tinham me informado por e-mail, o visto poderia demorar até cinco semanas para sair.

Tive que esperar ainda uns minutos no corredor do prédio até abrir. Não porque a pontualidade em Porto Alegre fosse menos germânica, mas por que meu relógio é adiantado.

Junto comigo estava uma senhora alemã que foi ali assinar um comprovante de que ainda estava viva - ela era bem velhinha mesmo, cabelo banco curto e olhos muito azuis. Junto com ela uma moça da minha idade, loira, mais alta e mais magra do que eu (isso é bastante).

Nos atendeu uma mulher de meia idade com uniforme de segurança. Tive que deixar meu celular numa gavetinha de madeira. Sei lá por que não é permitido usar celular lá dentro. Deve ser mania.

A dona segurança me indicou onde eu tinha que tirar as fotos. Um senhor muito do simpático num estudiozinho na Rua da Praia. Ainda bem que deixei pra fazer as fotos em Porto Alegre, porque é uma verdadeira ciência, tamanho e enquadramento milimetricamente (mesmo) medidos.

Voltei pro consulado e esperei mais uns 40 minutos assistindo a Deutsche-Welle. Levei meus documentos e a dona Marlene, que me atendeu, disse pra eu esperar só mais uns minutos que meu visto sairia hoje mesmo.


Bah!

Catei lépida e faceira um guia sobre a Alemanha e aguardei minha porção de minutos. Saí de lá com o visto, bem lindo.

Escrevi pra Ute e ela disse "Prima!" (excelente). E falou que por lá já está tudo certo também. Já estou inscrita no curso do Instituto Goethe e meu quarto reservado - vou morar os dois primeiros meses no próprio instituto, em Düsseldorf. Tudo acertado também pro meu estágio na Deustche-Welle Online, em Bonn, onde vou morar num apartamento que eles vão alugar pra mim.

Agora é só esperar. Exatos dois meses.