A magrela ambulante

Na quinta-feira andei pela primeira vez com a bicicleta que o Johannes Beck me deu no final de abril. Ela estava com o banco emperrado e alto demais para mim, e depois de algumas tentativas frustadas de consertá-la sozinha, da tentativa frustrada de amigos e da preguiça de um dono de loja de bicicletas, a vida acabou embolando e não consegui mais cuidar dela.

Até a semana passada. Fui finalmente na Radstation de Bonn, atrás do Hauptbahnhof, a estação principal de trens, e eles desencantaram a magrela. Ela ficou lá por dois dias e, quando fui buscar, o assento estava novo em folha, e o conserto me custou só 9,50 EUR.

Nossa primeira experiência juntas foi pura adrenalina. Ao sair da oficina, me dei conta de que não tinha levado nem o cadeado, nem as luzes dianteira e traseira, obrigatórias para ciclistas na Alemanha sob pena de multa. Era fim de tarde e pensei: tenho que chegar em casa antes que anoiteça.

Quando chegamos, já tava meio escurinho e uma mulher num carro até buzinou reclamando (typisch deutsch), mas deu tudo certo.

Prost pra magrela.

3 comentários:

  1. haha eu não me acostumo com o tanto que lá bicicleta é coisa séria; Várias vezes saí para tomar uns drinks, e ao voltar de bicicleta ficava morrendo de medo de um policial me parar, porque até isso é proibido hahahaha BJ!

    ResponderExcluir
  2. Bahhhh...."motorizada" então!!!
    Agora ninguém segura a neta do vovô França!!!!
    Parabéns pelo conserto da magrela e que possam ter muitas aventuras juntas!!!!Super beijo!

    ResponderExcluir
  3. @Ana: Verdade! E ouvi dizer que se a polícia pega, fica fichado mesmo, pra valer!

    @Biju: Hehe... em breve te mando uma foto dela =D

    ResponderExcluir