Guloseimas no ônibus

É um sorvete? Um chocolate? Um biscoito?
Não! É um pepino cru e com casca.
O alemãozinho de uns 5 anos estava
atracado roendo no ônibus, bem satisfeito.
Senhores pais, alimentação saudável tem limite.

Ah, e eu já mencionei que aqui eles também
comem pepino no café da manhã?
Graçasadeus não existe chuchu neste país...

Alemanha multiculti

Outro dia no ônibus vi uma cena que reflete muito do que a Alemanha é hoje.

Uma menina de uns 8 anos estava aprendendo a falar chinês (mandarim) com a mãe. Ela perguntava como se falavam as coisas, se confundia, enrolava a língua, ria de si mesma e continuava conversando em alemão. Filha de chineses, ela provavelmente nasceu na Alemanha, aprendeu alemão na escola e agora está tentando resgatar a cultura dos pais. Coisa que a gente vê aqui em cada esquina.

A imigração na Alemanha foi incentivada primeiro pela constituição (Grundgesetz), promulgada em 1949, que previa asilo para perseguidos políticos - alterada em 1993 por causa do grande número de requerimentos. E depois porque, nas décadas que sucederam o fim da Segunda Guerra, a Alemanha capitalista passou por uma fase de milagre econômico que demandava mão-de-obra estrangeira, já que não havia sobrado muitos homens na Alemanha para trabalhar.

Assim, a Alemanha experimenta hoje um processo pelo qual o Brasil passou no final do século XIX, com o fim da escravatura e a imigração europeia, principalmente alemã e italiana - nossos avós, bisavós e tataravós.

Aqui, a maioria dos imigrantes ainda está na primeira ou segunda geração, como no caso da menina chinesa que eu vi no ônibus. Aí fico pensando que a filha dela será alemã, filha de alemã, e que na próxima geração teremos alemães de todas as caras, como o Brasil.

Acho isso muito bom.

Viver na Alemanha é...

sair de casa ranhento todos os dias.

Aqui, lenço de papel na bolsa não serve só pra semana em que você está gripado: é sempre. É botar o pé na rua, mergulhar no ar gelado e o nariz começa a escorrer.

E não se acanhe, você não é o único. Todo mundo no ônibus vai ter seu respectivo lencinho e assoar o nariz na sua frente, sem pudor.