Como transferir a carteira de motorista do Brasil para a Alemanha

Ontem passei na prova de direção e tirei minha carteira de motorista alemã. :-)

A carteira de motorista brasileira só vale na Alemanha durante os primeiros seis meses, depois disso, é preciso fazer uma alemã, pois a brasileira é considerada vencida no país - embora ainda seja válida para o resto da Europa.

As autoridades alemãs nos dão três anos para transferir a carteira para cá, fazer a chamada Umschreibung. Transferir significa que não precisamos fazer autoescola de novo, mas precisamos passar nas provas teórica e prática.

Tudo começa na prefeitura, onde você vai no Departamento de Trânsito e pede para transferir a sua carteira de motorista estrangeira. Eles te dão uma lista de documentos/procedimentos a providenciar. Mesmo sem precisar assistir a aulas, você precisa de um contrato com uma autoescola. Precisa também fazer tradução juramentada da sua carteira brasileira na ADAC, curso de primeiros socorros e teste de visão - os dois últimos a autoescola providencia.

Com tudo na mão, a prefeitura manda o seu cadastro para o TÜV, que vai analisar tudo e dizer a partir de quando você pode prestar as provas. Demora de quatro a seis semanas para receber o OK. Nesse tempo você vai se preparando.

Como o trânsito aqui é bem diferente do Brasil, eu decidi contratar uma "autoescola" online, o MyFuehrerschein.de. Por 30 euros, o usuário tem acesso a exercícios e provas simuladas durante seis meses. Para a prova eles escolhem 30 questões de cerca de 1.200 questões possíveis, e no site a gente passa por todas elas. Decoreba pura. Para mim foi ideal, estudei em casa e passei na prova sem nenhum erro. Aliás, a prova pode ser feita em qualquer língua europeia, inclusive português. Eu optei por fazer em alemão, porque achei mais fácil de entender do que o vocabulário de Portugal para o trânsito... risos.

Passando na prova teórica você pode fazer a prática, e mesmo não precisando e tendo mais de dez anos de experiência ao volante, eu decidi tomar umas aulas. Bem que eu fiz. Alemão é bicho mala, tudo tem que ser certinho.

Um exemplo clássico é o tal do Schulterblick, que é a olhada por cima do ombro que você tem que dar antes de virar à direita ou à esquerda para checar se não tem ninguém no seu ponto cego. Os alemães são obcecados pelo Schulterblick. Se não fizer toda vez, não passa. E tem uma ordem a ser seguida. Se você for dobrar à direita, tem que olhar:

1. Para frente
2. No retrovisor
3. No espelho lateral direito
4. Para frente outra vez
5. No espelho lateral direito outra vez
6. Shulterblick

NESSA ORDEM! Só então você pode virar ou trocar de pista.

E deus-o-livre dirigir acima da velocidade permitida dentro da cidade. No Brasil as pessoas reclamam quando tem radar em zona de 60km/h, né? Pois aqui tá cheio de radar nas áreas de 30km/h e 50km/h. Não tem perdão. Correr solto, só na Autobahn, e olhe lá.

O trânsito daqui também tem umas aberrações que no Brasil contribuiriam muito para o aumento no número de acidentes. Mas aqui dão certo.

Exemplos:

Se dois carros em sentidos opostos querem virar à esquerda num cruzamento, eles viram um na frente do outro. Assim:



Semáforo que fica verde pro trânsito e para os pedestres ao mesmo tempo. Assim:



Sinal vermelho que vale só para quem segue reto. Uma seta verde indica que quem virar à direita tem passagem livre. Assim:


Sem falar nos trens elétricos no meio da rua... Por isso decidir fazer aulas. Fiz cinco horas-aulas e passei de primeira na prova.

Ao todo eu gastei pouco menos de 800 euros para transferir a minha carteira, contando todas as taxas e aulas. Parece muito, mas é menos da metade do que se paga para tirar carteira de motorista aqui começando do zero.

E agora, como disse meu colega Jan: Leute, ruft die Kinder rein, Francis hat den Führerschein! =D